MARIA DROSTE

Beata Maria do Divino Coração

Maria Droste e Castelo de Darfeld
Maria Droste e Castelo de Darfeld

press to zoom
Castelo de Darfeld (Münster)
Castelo de Darfeld (Münster)

press to zoom
Congregação Bom Pastor (Ermesinde)
Congregação Bom Pastor (Ermesinde)

press to zoom
Maria Droste e Castelo de Darfeld
Maria Droste e Castelo de Darfeld

press to zoom
1/4
 

QUEM FOI MARIA DROSTE?   -   DADOS BIOGRÁFICOS

INFÂNCIA

Maria Anna Johanna Franziska Theresia Antonia Huberta Droste zu Vischering nasceu, com o seu irmão gémeo Max, no dia8 de setembro de 1863, solenidade da Natividade de Nossa Senhora, no Palácio Erbdrostenhof, em Münster, uma cidade situada na região da Vestfália, na Alemanha, sendo filha de uma das mais nobres famílias que se distinguiu pela sua fidelidade à Igreja Católica durante a perseguição do Kulturkampf - os seus pais eram Clemente, o conde Droste zu Vischering, e Helena, a condessa de Galen.

De saúde frágil, Maria Droste zu Vischering kjhkjhkjhkjhkm nfoi baptizada de imediato aquando do seu nascimento. Anos mais tarde, a sua mãe revelou-lhe que, no dia do nascimento das duas crianças, ela experimentou uma tal consolação e uma alegria sobrenatural tão grande como nunca sentira em toda a sua vida. Na verdade, pode dizer-se que isso era já um sinal da graça divina manifestando o quanto os dois, mas sobretudo Maria, trilhariam o caminho da perfeição e do amor de Deus.

Maria Droste zu Vischering passou a sua infância com a família no Castelo de Darfeld, um dos mais belos da região de Münster, e foi uma criança cheia de vida: corria pelos corredores intermináveis do Castelo, atirava-se para cima das moitas e da relva molhada do jardim, montava a cavalo, patinava no gelo e lutava para ser a primeira em qualquer jogo com os irmãos. Desde a mais tenra idade que a sua alma inocente fora atraída pelo Sagrado Coração de Jeses. Para Maria Droste zu Vischering, a devoção ao Coração de Cristo sempre se fundiu por inteiro com a devoção ao Santíssimo Sacramento, conforme ela própria declarou: "Nunca pude separar a devoção ao Coração de Jesus da devoção ao Santíssimo Sacramento; e nunca serei capaz de explicar como e quanto o Sagrado Coração de Jesus se dignou favorecer-me no Santíssimo Sacramento da Eucaristia".

JUVENTUDE

 

No dia 25 de abril de 1875, Maria Droste zu Vischering fez, com o seu irmão gémeo Max, a sua Primeira Comunhão: "Esperei nesse dia a graça da vocação religiosa, mas em vão…". Essa graça recebeu-a apenas no dia 8 de Julho do mesmo ano, após a recepção do Crisma.

Em 1878, contudo, Maria Droste zu Vischering escutou uma pregação sobre a passagem bíblica que diz «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma» e reagiu da seguinte forma: "Nesse preciso momento pensei: tens que te tornar Religiosa! Teria preferido que os meus ouvidos não tivessem escutado, mas é impossível resistir à voz de Deus".

Durante a Primavera de 1879, num dos trilhos da sua particular devoção ao Coração de Cristo e após uma primeira experiência de vida religiosa realizada no Pensionato das Irmãs do Sagrado Coração em Riedenburg, Maria Droste zu Vischering chegou a uma importante conclusão: "[…] comecei a compreender que sem espírito de sacrifício o amor ao Coração de Jesus não passa de uma ilusão".

VIDA RELIGIOSA

No ano de 1883, na capela do Castelo de Darfeld, Maria Droste zu Vischering escutou uma locução interior de Jesus que lhe disse: "Tu serás a esposa do Meu Coração". No dia 5 de agosto desse mesmo ano, data do Jubileu de Prata do casamento de seus pais, Maria manifestou-lhes o desejo definitivo de se tornar religiosa e não tardou para que isso se tornasse realidade.

Em 1888, visitou com sua mãe o Hospital de Darfeld e lá encontrou uma rapariga que tinha dado escândalo. Maria Droste zu Vischering, vencendo a sua repugnância e timidez face à mãe, estendeu a mão à infeliz. Pode dizer-se que foi o primeiro contacto com o carisma das Irmãs do Bom Pastor. Na Igreja Paroquial, pouco tempo depois, tornou a ouvir a voz de Jesus que lhe disse: "Tens de entrar no Convento do Bom Pastor". Maria decidiu-se, então, a entrar no noviciado do Convento do Bom Pastor de Münster.

Depois de ter recebido o hábito branco da Congregação – no mesmo dia e na mesma hora que, em França, no Carmelo de Lisieux, Teresa recebia o hábito castanho (e, anos mais tarde, tornou-se na conhecida Santa Teresinha do Menino Jesus), Maria recebeu ainda o nome que se tornou para si num programa de vida: Irmã Maria do Divino Coração.

A Irmã Maria passou apenas 5 anos em Münster, pois a obediência chamou-a a uma missão especial em Portugal, para onde foi enviada inicialmente como Assistente da Superiora do Convento de Lisboa. De Fevereiro a Maio de 1894 permaneceu na capital portuguesa, mas em pouco tempo foi nomeada para o seu cargo definitivo de Madre Superiora do Convento das Irmãs do Bom Pastor do Porto.

Restauradora da disciplina religiosa e exigente na formação das suas filhas Religiosas, a Irmã Maria foi alvo de inúmeras incompreensões por parte da comunidade que estava habituada a viver entregue só a si mesma. A principal atenção da Madre Superiora, contudo, foi sempre para as jovens internas, preferindo as mais pobres e as mais infelizes.

 

 

 

MISSÃO

A Irmã Maria do Divino Coração foi enviada em missão para Portugal, tendo chegado ao Porto como Superiora do Recolhimento do Bom Pastor, na Rua de Vale Formoso (Paranhos), a 17 de maio de 1894. Aqui se dedicou, de alma e coração, ao serviço de largas dezenas de jovens, entregues aos cuidados da sua Congregação, em tempos de grandes dificuldades materiais, perfeitamente integrada na sua nova pátria: «Sinto‑me tão portuguesa, que não me importo com tanto desconforto, tanto frio e tanta humidade». Acometida por uma dolorosa e prolongada doença, partiu para a vida eterna no dia 8 de junho de 1899, no início do tríduo de preparação para a consagração do mundo ao Coração de Jesus, feita pelo Papa, correspondendo ao seu expresso pedido. O seu corpo está exposto à veneração dos fiéis na Igreja do Coração de Jesus, em Ermesinde, junto à Casa das Irmãs do Bom Pastor.

CANONIZAÇÃO - 1. VENERÁVEL

 

A Irmã Maria morreu no dia 8 de junho de 1899. O seu corpo, encontrado incorrupto aquando da sua primeira exumação, encontra-se actualmente exposto para veneração pública na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Ermesinde, junto ao Convento do Bom Pastor dessa mesma localidade. Existem, ainda, relíquias extraídas do seu corpo e que se encontram expostas para veneração no Convento das Irmãs do Bom Pastor do Porto e na Capela dos Confidentes de Jesus situada no Santuário Nacional de Cristo Rei, em Almada.

A Consagração do Mundo ao Sagrado Coração de Jesus foi feita pelo Papa Leão XIII a 11 de junho de 1899, no seguimento dos pedidos, em nome do próprio Jesus Cristo, que lhe foram dirigidos a partir de Portugal pela Beata Irmã Maria do Divino Coração Droste zu Vischering, a Madre Superiora do Convento do Bom Pastor do Porto. Tal facto veio a ocorrer logo após a publicação da Encíclica Annum Sacrum.

Em 1964, a Irmã Maria do Divino Coração, condessa Droste zu Vischering, recebeu oficialmente o título de Venerável pela Congregação para as Causas dos Santos.

 

 

CANONIZAÇÃO - 2. BEATA

No dia 1 de novembro de 1975, dia da solenidade de Todos-os-Santos, foi beatificada pelo Papa Paulo VI.

Na actualidade, o Doutor Waldery Hilgeman foi nomeado postulador da causa de canonização que se encontra em curso.

 

DATAS MAIS IMPORTANTES

Na vida da Beata Maria do Divino Coração
 

08.09.1863 – Nascimento de Maria Droste zu Vischering, em Münster, na Alemanha

 

21.11.1888 – Entra no Noviciado em Münster

 

29.01.1891 – Faz a sua Profissão Religiosa

 

12.05.1894 – É nomeada Superiora para a casa do Bom Pastor no Porto

 

17.05.1894 – Chega ao Convento do Bom Pastor no Porto, para Superiora

 

          1896 – Início da sua doença

 

    .06.1898 – Define-se a sua Missão

 

08.12.1898 – Escreve a Leão XIII pedindo a consagração do género humano ao Sagrado Coração de Jesus

 

25.05.1899 – A Encíclica “Annum Sacrum” prescreve a consagração do género humano ao Sagrado Coração para o dia 11 de Junho

 

08.06.1899 – Morte da Ir. Maria do Divino Coração, véspera do Tríduo preparatório para a Consagração universal ao Sagrado Coração de Jesus

 

11.06.1899 – Consagração do género humano ao Coração de Jesus, pelo Papa Leão XIII

 

25.11.1941 – Introdução da causa da Ir. Maria do Divino Coração

 

13.02.1964 – Decreto da heroicidade das virtudes da Ir. Maria

 

09-06.1972 – Consagração da Igreja do Instituto do Bom pastor, em Ermesinde, ao Coração Santíssimo de Jesus, para cumprimento de um voto da Ir. Maria do Divino Coração feito a 15 de Agosto de 1898.

 

01.11.1975 – Beatificação da Ir. Maria do Divino Coração, por Paulo VI.

 

03.12.1975 – Transladação dos restos mortais da Bem-aventurada para a Igreja do Coração de Jesus, Bom Pastor, em Ermesinde.

 

Canonização – Processo em curso

 

Festa Litúrgica – 8 de junho

​​​

 

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/140

DESTAQUE

Eucaristia e Divino Coração, um único amor

Maria Droste viveu profundamente da Eucaristia. Esta era a fonte de vida para concretizar a sua missão. A sua incorporação em Cristo reforça-se continuamente pela participação no sacrifício Eucarístico e especialmente na comunhão sacramental. “Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós, disse Jesus.

 

A meditação do amor infinito de Jesus, do seu Coração transbordante de amor por nós e a sua presença no Santíssimo Sacramento leva-a a unir na sua compreensão o mistério da Eucaristia e a devoção ao Coração de Jesus.

 

“Eu nunca pude separar a devoção do Coração de Jesus da devoção ao Santíssimo Sacramento e nunca serei capaz de explicar como e quando o Santíssimo Coração de Jesus se dignou favorecer-me no Santíssimo Sacramento da Eucaristia. O Santíssimo Sacramento foi sempre para mim um céu, e quase sempre se me representava nosso Senhor na posição daquela imagem; e o Coração de Jesus, na Sagrada Eucaristia, como um sol radiante que me atraía a si, me iluminava e me fazia arder de amor. A maior parte das graças que recebi foram ou à Sagrada Comunhão ou diante Santíssimo Sacramento exposto, mas muitas vezes em relação com qualquer festa ou imagem do Sagrado Coração…” Autobiografia pág. 34.

dois amores.jpg

DESTAQUE

“No presépio há um olhar que busca o nosso olhar, talvez na procura de uma cumplicidade, convocando-nos, a partir de dentro, para a terra da alegria.”

Destaque_-_Natal_é_compromisso.jpg

A Beata Maria do Divino Coração compreendeu e vivenciou isto mesmo. Vejamos o que escreve ao relatar como viveu o seu Natal num dia de grande provação:

            (…) Então só se vive para saborear, beber, sorver a largos tragos e abraçar do íntimo do coração, em santos transportes de amor ardente, Aquele que assim se nos entrega como propriedade nossa. Paz, sossego, alegria santa, delícias sempre crescentes no sofrimento e na pobreza, tudo isto inebria a alma. Sentei-me então ao harmónio e toquei os cânticos do Natal do Menino Jesus, ora acalentando-O, ora despertando-O como Ele mesmo faz nos entretenimentos íntimos com a alma (…).

Alexandrina Dutra

DESTAQUE

NATAL...

Este era o tempo
Com necessidade de SILÊNCIO
Com fome voraz da Palavra.
Como Ninguém fazia silêncio
A Palavra NÃO podia ser escutada.
Mas...
Nesse momento,
Gerado do Coração de Deus:
Numa manhã,
Uma donzela fundiu-se nos sonhos do Altíssimo.
O SILÊNCIO de Maria falava...
Na noite profunda
O povo ansiava pelo astro Rei
Porque habitava no estertor da morte
E...vivia nas trevas.
Por fim,
Chegou o som,a LUZ, a cor, o festim...
E TUDO aconteceu no SILÊNCIO da noite
e no retiro de um curral...
Simples e fogosa noite
Em que DEUS e o barro moldado se abraçaram.
DEUS despontou da aurora reluzente da Donzela.
Ele chorou...
Ela sorriu...
Parecia tão frágil aquele bebé...
Ele escolheu a NOITE
E engrandeceu a nossa pequenez,
E assumiu-se como a Única Luz
De TODAS as noites!!!

Destaque - Natal.JPG

Peço- Te neste NATAL:
Que eu seja luz
que não se canse de alumiar,
criança que não me canse de sorrir,
nascente que não cesse de jorrar!
Que eu seja bálsamo
que não me canse de suavizar,
porta que não me canse de abrir,
sentinela que não cesse de velar!
Que eu seja bússola
que não me canse de procurar
Primavera que não me canse de florir,
peregrino que não cesse de caminhar!
Que como os pastores não me canse de escutar,
como Maria não me canse de dizer " SIM ",
Força que não cesse de SER.
E ser mais !
Muito mais!

Miguel Menezes

DESTAQUE

Discernimento vocacional

(1)

A 25 de Abril de 1875, fez Maria e o seu irmão Max a primeira comunhão. Contavam então 12 anos de idade. Já nessa altura a nossa Irmã Maria sonhava com a vida religiosa. Escutemo-la:

“Já disse que, no dia 25 de Abril de 1875, fiz a minha primeira comunhão na Igreja paroquial de Darfeld (…) Já naquela ocasião eu suspirava pela vida religiosa, para pertencer a Nosso Senhor. E como me contavam que alguns santos, naquela ocasião, sentiram pela primeira vez a vocação, eu esperava com ansiedade a mesma dita. Nosso Senhor, porém, não me concedeu nesse dia a graça que tanto desejava.” (1)

Maria Droste aos 15 anos.jpg

Lucília Marques

Maria orientou então a sua expectativa para o dia do seu crisma e Deus não a desiludiu. Escutemo-la:

“E no dia 8 de Julho do mesmo ano 1875, imediatamente depois de ser crismada, senti nascer em mim a graça da vocação, e nunca mais a perdi. Ela ia crescendo pouco a pouco comigo” (2) e continua: “Nos anos seguintes não houve nada de extraordinário. Eu ia guardando 0 meu segredo de me fazer religiosa, sem todavia, me fazer boa. Foi na idade de 12 a 16 anos que mais ofendi a Nosso Senhor, mas Ele não me abandonou. Tratou-me sempre com a mesma misericórdia.” (3)

Embora possa parecer, ao escutarmos a Irmã Maria, que foi tudo muito especial no seu discernimento vocacional, a sua busca constante da Vontade de Deus, vai mostrar-nos precisamente o contrário. Ela vai precisar de percorrer um longo caminho até poder realizar a vocação a que se sente chamada.

E nós? Como vivemos a nossa voação? Demos graças ao Senhor por tão grande DOM.

Prece: Peçamos ao senhor vocações esclarecidas e maduras para a vida da Sua Igreja

Oração: Ó Bem-aventurada Maria do Divino Coração, que consagrastes a vossa vida ao serviço dos que mais necessitavam da misericórdia divina, intercedei por nós, para que saibamos imitar o vosso zelo pela salvação de toda a humanidade. Obtende-nos a graça de um amor verdadeiro ao Coração de Jesus, vós que o amastes tão intensamente, e assim podermos cantar convosco por toda a eternidade, a Sua Infinita Misericórdia. Ámen.

 

-------------------------------------------------------

   (1) Autobiografia, pág 38

   (2) Idem pág. 38

   (3) Idem, pág 39

DESTAQUE

"Sem humildade não existe coragem verdadeira,

mas sim vã ilusão e orgulho".

Beata Maria do Divino Coração

A humildade evangélica é o contrário da soberba e da insolência. Assim, vivemos a humildade na consciência da nossa pequenez, do nosso nada. Mas vivemos ao mesmo tempo corajosamente, sabendo que nos dá força e enriquece Aquele que é TUDO em nós.

Alexandrina Dutra

DESTAQUE

"Jesus gosta que convivamos com Ele como um filho com o seu pai."

Beata Maria do Divino Coração

Como é importante convivermos!

É bom estarmos em contacto simples com Ele, sabendo que nos conhece profundamente e, apesar dos nossos defeitos, nos ama com Amor infinito!

Facilmente percebemos que a oração é tão importante no nosso relacionamento, como o é o facto de nos comunicarmos em qualquer relação humana.

Alexandrina Dutra

DESTAQUE

"Que a vontade de Deus seja a nossa força e o seu cumprimento a nossa alegria"

Ir. Maria do Divino Coração

Se reflectirmos um pouco na Vida de Maria Droste, desde os seus mais tenros
anos, não é difícil verificar que a tónica do respeito e cumprimento da “vontade de Deus” estiveram sempre presentes na sua educação e nortearam sempre a sua vida e o seu agir.

Podemos afirmar, contudo que mais tarde, já na vida religiosa, o cumprimento da “vontade de Deus” vai ser grandemente implementado na sua vida, mercê de influências salutares da espiritualidade e vivência dos seus Fundadores. Entrou numa Congregação onde S. João Eudes era considerado o “Pai Espiritual” e onde os seus escritos e conselhos eram escrupulosamente considerados. Na vida e obra de S. João Eudes e muito concretamente nos seus escritos, descobrimos que: “Em tudo a vontade de Deus” é a fórmula que hauriu na teologia do Coração de Jesus, e constituiu lema, não só de comportamento interior, nos domínios da mística, mas também de conduta exterior, no campo da acção. A sua Fundadora, Santa Maria Eufrásia Pelletier, pertenceu à Congregação fundada por S. João Eudes e, como filha exemplar, bebeu dessa fonte a paixão pela fidelidade ao cumprimento da “vontade de Deus”, o que a levava a exclamar: “Para cumprir a vontade de Deus, eu percorreria o mundo inteiro”.

Por este clima de fidelidade à vontade de Deus que a rodeou e, pelo exercício da sua própria fidelidade, não admira que Maria Droste possa afirmar com pleno conhecimento de causa e num grito de coração apaixonado: “Que a vontade de Deus seja a nossa força e o seu cumprimento a nossa alegria”. Trata-se de um lema que, tal como o de S. João Eudes, abrange o comportamento interior mas também a conduta exterior.
Tal como aquela criança que no alto mar, em meio a grande tempestade, dizia
não ter medo porque era o seu pai que ia ao leme, a Ir. Maria não tem medo de arriscar, não vacila, e encontra forças para agir porque só lhe interessa fazer a vontade do seu Deus. No cumprimento dessa vontade, que não se engana, nem engana, está a sua segurança, a sua força. A consequência lógica desta atitude não pode deixar de ser a felicidade, a alegria do dever cumprido. Não nos admira portanto que o Divino Coração lhe tenha pedido para ser Sua testemunha através da alegria mesmo no meio das dificuldades e de toda a ordem de sofrimentos, e ela conseguiu-o porque essa era a “vontade de Deus”, e aí estava a sua força.

No cumprimento da vontade de Deus, encontramos um dos segredos da vida
heroica da nossa Beata Maria do Divino Coração.

É certo que a vontade de Deus é diferente para cada um de nós; Deus não pede a todos a mesma coisa, mas sem dúvida é no cumprimento dessa vontade que encontraremos a paz, a alegria, a felicidade.

Peçamos à Beata Maria do Divino Coração que nos ajude a ser fiéis.

Alexandrina Dutra

 
CONTACTE-NOS

Agradecemos a sua visita ao nosso site.
Para mais informações, entre em contacto connosco!
Responderemos com a maior brevidade possível.

Largo das Oliveiras, S/N
4445-538 Ermesinde

alexandrinadutra@sapo.pt
Tel: (não disponível ainda)

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Seus detalhes foram enviados com sucesso!